Jesuitismo

From humanipedia
Revision as of 16:24, 5 April 2018 by Natacha Mota (talk | contribs)
(diff) ← Older revision | Latest revision (diff) | Newer revision → (diff)
Jump to navigation Jump to search

Doutrina, sistema e princípios religiosos, políticos e sociais dos jesuítas ou a eles atribuídos; prática da dissimulação como sistema de vida.

A Companhia de Jesus, ordem religiosa fundada por Ignácio de Loyola em 1534 como instrumento da Contra-reforma, foi suprimida por Clemente XIV em 1773 (mantendo-se, com o aval dos imperadores da Rússia e da China, nas suas possessões). Pio VII restabeleceu-a em 1814 e foi estimulada pela Santa Aliança. Os jesuítas desempenhavam um papel muito importante na educação pública e na atividade política secreta, confundindo muitas vezes a obra missionária da Igreja com a realização das missões secretas da diplomacia e da polícia secreta das potências católicas. Nos séculos XIX e XX apresentaram-se à opinião pública dos países católicos como a vanguarda da luta contra o modernismo dentro do catolicismo e contra a maçonaria por fora. Para cumprir as missões secretas utilizavam vestimenta civil e fingiam ser partidários dos seus inimigos para penetrar nas suas fileiras. Esta “flexibilidade” moral e propensão para a carreira política, levavam a que se acusassem os jesuítas de hipocrisia e dubiedade. A personagem literária da comédia de Molière, Tartufo, é o tipo da perversidade e da corrupção dissimuladas hipocritamente e consideradas como personificação do jesuitismo.

Comummente atribui-se aos jesuítas a tese, muito duvidosa do ponto de vista moral, de que o nobre fim pode justificar o emprego de meios baixos e indignos. Não obstante, esta imagem da Companhia de Jesus é unilateral e, por isso, injusta, e deve-se em grande parte à propaganda tendenciosa dos seus adversários, que se aproveitam de certos procedimentos, costumes e tradições da Ordem que contradizem as normas habitualmente admitidas na comunicação social, na consciência comum.

Os nomes do conhecido humanista cristão português, António Vieira e do filósofo e científico Teilhard de Chardin, submetidos às repressões pela hierarquia eclesiástica, testemunham, contrariamente à ideia generalizada, a alta qualidade de alguns membros dessa ordem.